sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Plantação de dúvidas - roda de prosa

Vestígios rarefeitos por nuvens de poeira, maquiam dores e disfarçam sorrisos na brancura de meu olhar, que testemunha apagão em contínuo desenvolvimento, em processo que obscurece meus padrões musicais, gastronômicos, nativistas.


Rondam os vendavais. Disfarçados de brisa desalinham a paz, plantam dúvidas em minha terra de mato, céu azul e tuiuius.

Tudo reforça a sensação de que sou um exemplar da espécie de indío, quase extinta. Então, paro na explícititude da curva do córrego para beber segredos e lavar maldades.

2 comentários:

  1. Tem a sua cara e do nosso estado misturadinhos...

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Peter, sua visita deixou alegria em mim. Volte sempre, beijo

    ResponderExcluir

Sua presença traz alegria, muito grata, viu? Volte sempre.